Justiça decreta prisão preventiva de acusada de matar a avó e transportá-la em mala

O juízo de plantão da comarca de Itajaí, no Litoral Norte, decretou a prisão preventiva da mulher suspeita de matar a avó entre os dias 31 de dezembro de 2022 e 1º de janeiro deste ano. O corpo da idosa foi encontrado por vizinhos dentro de uma mala, sobre a moto que seria pilotada pela acusada. Ao apreciar o pedido da autoridade policial, o juiz Luiz Carlos Vailati Junior observa que vários são os indícios de autoria do crime de homicídio pela investigada.

Na decisão, o magistrado cita que o crime premeditado teve requintes de crueldade. De acordo com a autoridade policial, a acusada possivelmente se utilizou de alguma substância para dopar a vítima e depois a asfixiou com algo que não deixasse marcas. Fez isso, segundo se apurou até o momento, com a nítida intenção de ficar com a residência da avó.

“Está-se diante, portanto, de um crime bárbaro, cruel, repugnante e que merece ser repreendido. A ordem pública, por isso, ante a gravidade concreta evidente do delito e a frieza do agente, deve ser resguardada. Mas não só isso. A aplicação penal também precisa ser resguardada. E, neste ponto, o fato de a acusada ter se evadido do local do crime é o suficiente para demonstrar a sua intenção de se furtar a responder pelo crime que tenha cometido”, observa o juiz na sentença.

Após cumprimento da prisão preventiva pela autoridade policial, a mulher foi apresentada nesta quarta-feira (11/1) em audiência de custódia ao juízo da 2ª Vara Criminal da comarca de Itajaí e encaminhada para o Presídio Feminino de Itajaí (Autos n. 5000072-51.2023.8.24.0033/SC).

TJSC

Rolar para cima
×