Júri condena chefe do tráfico de Japeri por morte de presidente da associação de moradores

O Conselho de Sentença do III Tribunal do Júri da Capital condenou Ipojucan Soares de Andrade, chefe do tráfico de drogas em Japeri, na Baixada Fluminense, pela morte de Eduardo Cardoso de Menezes. Ipojucan foi condenado a 45 anos de reclusão, inicialmente em regime fechado.

De acordo com informações do processo, em 2013, Eduardo Cardoso, então presidente da associação de moradores do Bairro Gandu, foi alvejado com tiros por pleitear a instalação de uma cabine da Polícia Militar na comunidade. O corpo foi jogado no Rio Gandu.

“Houve grave violação dos direitos humanos, uma vez que se aniquilou o presidente da associação de moradores, o que implicou a supressão da voz e da existência do defensor de direitos humanos dos que residiam naquela localidade, bem como da neutralização da atuação dessa associação e sociedade civil e de seus interesses”, ressalta trecho da sentença do juiz Cariel Patriota.

A decisão destaca ainda que Ipojucan Andrade é um dos chefes do tráfico de drogas da facção criminosa “Comando Vermelho”.

“Tem-se a prática do crime pelo “tribunal do tráfico”, com inúmeras execuções de pessoas sem a sua submissão ao devido processo legal estatal, o que ocorreu no presente caso, com mais um intuito de afastar qualquer controle do Poder Público naquela região. Tem-se a tentativa de criar um verdadeiro poder paralelo ao do estado, ao qual a vítima foi submetida, sendo certo ainda que a violência imposta pelo réu e seus comparsas também é dirigida a todos os cidadãos”.

0041173-90.2013.8.19.0083

MG/FS

TJRJ

Rolar para cima
×