Júri na Comarca de São José do Ouro condena homem por morte em reserva indígena

Um homem foi condenado a 19 anos de reclusão pela morte da mulher com quem mantinha relacionamento, consideradas as agravantes de feminicídio, meio cruel e recurso que dificultou a defesa da vítima, em júri realizado na última terça-feira (11/04), na Comarca de São José do Ouro.

A pena, em conformidade com o veredito dos jurados (Conselho de Sentença), foi aplicada pelo Juiz de Direito Rafael Alessandro Pereira Olympio, que presidiu a sessão de julgamento. Ao longo dos trabalhos foram ouvidas quatro testemunhas e o acusado.

O crime aconteceu no dia 13/3/2020, em Reserva Indígena localizada no município de Cacique Doble, na região Nordeste do RS, motivado por uma discussão entre o casal, segundo a denúncia do Ministério Público A causa da morte da vítima, segundo laudo pericial, foi traumatismo raquimedular cervical, consequência de espancamento com uso de objeto contundente.

O acusado foi preso no mesmo dia, respondeu recluso ao processo e assim permanecerá caso opte por recorrer. Ao justificar a manutenção da segregação, o magistrado citou a necessidade de garantia da ordem pública, “ante a existência de prova do crime e de sua autoria, como também em razão do perigo gerado pelo estado de liberdade do réu, pois, sendo multirreincidente, existem fortes indícios de que, se solto, voltará a delinquir”.

TJRS

Rolar para cima
×